Avançar para o conteúdo principal

STUPID OR NOT KIND OF MANIFESTO #01

Look good.
Stop worrying just on looking good.
Start being good.
Being intelligent makes you beautiful.
Being intelligent makes you sadder.
Don’t joke on bodybuilders in public.
Fast food makes you die slowly.
If you live like there’s no tomorrow there will probably be none.
Don’t let your wrinkles spoil your youth.
Trust in strangers until otherwise.
Don’t trust in strangers with knifes.
Know more about yourself than you know about socialites.
Start.
Stop.
Avoid mistakes.
Learn from errors.
Clichés exist for a reason.
Writing a manifesto makes you feel powerful.
It isn’t always the butler.
Don’t kill the butterflies.
Kill the butter.
Fly.

Stupid or not Francisco Salgado Ré
02 of May, 2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

VÁ VER SE EU LÁ ESTOU

A propósito da convocatória para uma manifestação geral de desagrado, que recebi hoje no meu email, como coisa que se espalha de forma digital que nem vírus. Camaradas, não me deserdem nem me atirem pedras na rua, que este comentário não é uma reacção às motivações do tal repto, mas sim à sua forma e conteúdo. Ora, não me interpretam mal, fica para outro dia, hoje não, não vou comentar aqui as circunstâncias politicas subjacentes, nem as dificuldades sociais e as injustiças do povo. Mas tenho de fazer um alerta ao autor do texto, antes que o email seja reencaminhado um milhão de vezes e depois já não seja possível retratar a coisa. Meus amigos, camaradas e tal, tenham lá calma com o entusiasmo das Primaveras Árabes. Acho que a CNN anda a toldar o juízo tão agradavelmente moderado deste país ameno. A minha apreciação tem duas vertentes, uma é arquitectónica e a outra é de amante de palavreado bem escrito em respeito a Camões e a António Aleixo. Portanto:

Caro revolucionário desconhecido e …

O ESTADO DAS COISAS

Diz-se que a esperança é a ultima a morrer. Agora sabe-se que a esperança morreu por estes dias. Deu na televisão antes de um jogo de futebol. Era já pouca, comedida, medida, porcionada e apenas utilizada por não haver alternativa, como uso de recurso. A esperança é o paliativo dos Portugueses. Verdade seja dita que, por eterna e incontornável má fortuna, este povo dela e com ela sempre viveu. É uma espécie de valor idiossincrático, precioso e utilizado em permanência. Vidas em dependência permanente deste último recurso imaterial que, ao não alimentar, sossega o espírito. É curiosamente um tipo de esperança na qual não é possível acreditar verdadeiramente, mas tê-la é bem melhor do que não ter. É coisa que apazigua a dor mas que não cura a maleita. Desde sempre, ou pelo menos desde que me lembro e do que me contam, me pareceu uma espécie rara de esperança. Uma esperança sem esperança dentro, como uma matrioska ao contrário. A nossa é ela própria hipotecada pelas condições fatídicas de…

LOG ENTRY: ESCUTEIROS

Entre muitas coisas esta é uma delas.Não me interpretem mal, não tenho nada contra. Pessoalmente nada. Nunca me atiraram pedras, bíblias, guitarras ou ofensas verbais. Nada, mas mesmo nada, que se lhes pegue em termos morais. Perfeitinhos que até chateia. Tenho mesmo de admitir, a honestidade intelectual a tal me obriga, que lhes agradeço a mediana sapiência que possuo em fazer nós esquisitos, que não dão jeito nenhum no dia-a-dia, mas que servem para impressionar quando raramente vem a propósito.
Portanto, após ponderada e meditativa introspecção, posso apenas concluir que o que move estas palavras poderá ser tão-somente pura maldade. Essa que talvez se esconda no meu ser imperfeito. É possível, não sou escuteiro. Se Deus castiga como dizem, e se não tiver mais nada que fazer, então irá certamente castigar-me por este texto. Acho que esta borbulha que me apareceu na testa já é obra Dele. Mas arrisco, destemido, a continuar.Não compreendo e já tentei. Não muito porque dá m…